Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Off Pitch

Blogue do treinador Bruno Dias

Posicionamento vs Expectativas ou Plano Estratégico?

euro-2016-campeoes-41.jpg

O posicionamento é um construto associado ao marketing, basicamente, será a posição, pretende-se que, diferenciada na cabeça de um segmento específico de mercado, ou seja, este tem como expetativa a existência de uma produção compatível ao respetivo posicionamento.

Esta premissa é transversal aos diferentes mercados, o grande desafio dos líderes das organizações é ter claro o seu posicionamento a cada momento, ajustar as expetativas do mercado face ao rendimento que é esperado e ser adaptar-se tão rápido quanto possível ao novo posicionamento quando este é conquistado.

Um exemplo prático é a seleção A portuguesa após a conquista do Euro 2016, viu, por mérito próprio, alterado o seu posicionamento do panorama internacional, passando a ser encarada como um exemplo a seguir, por muitos, e um alvo a abater, por alguns, aumentando muito a sua responsabilidade de iniciativa nas mais diferentes áreas e, notoriamente, no “mandar” do jogo dentro das 4 linhas, sendo “obrigada” a assumir todos os jogos de forma proativa e menos expetante, fórmula que resultou no título europeu, enquadrado no posicionamento de candidata e não favorita.

O título conquistado acarreta o rótulo de favorita na maioria dos jogos e uma expetativa crescente dos adeptos do futebol, não somente dos portugueses.

Este processo adaptativo é também promovido pela dinâmica de gestão organizacional e pelo plano estratégico das organizações.

Esta alteração de posicionamento da seleção portuguesa, arrisco a afirmar, do futebol português, incluo pois claro as seleções de formação que tanto sucesso têm tido nos últimos anos, será fruto de um plano estratégico da FPF?

As expetativas internas e externas criadas ao redor do posicionamento da organização são vitais para a existência de um contexto propício ao sucesso e para a justa valorização deste.

Da (In)Formação contínua à motricidade humana.

Mou.jpg

Tal como o treino, é um processo inacabado, também o treinador deve estar em permanente transformação, procurando criar novos limites e ultrapassa-los diariamente.

A necessidade de, constantemente, procurar formação em diferentes áreas do saber é uma virtude dos humildes e dos que procuram desafiar-se a cada momento.

A informação recolhida nas distintas áreas estudadas será alavanca para a criação do próprio conhecimento.

“A produção do próprio conhecimento” segundo José Mourinho é fator diferenciador do ser treinador. A capacidade crítica que o treinador possui e a forma como integra cada informação recolhida no seu processo e a transforma em conhecimento para o seu grupo de trabalho reforçará a sua liderança.

As fontes de informação, dada a elevada oferta, devem ser filtradas permitindo deste modo um condicionamento inicial das temáticas mais relevantes em dado momento.

Escrevo sobre o treinador, poderia faze-lo sobre um gestor, aliás, sobre qualquer pessoa, esta necessidade permanente de buscar mais é condição humana, é por isso, mais uma vez, no humano que encontramos as respostas.

A produção do próprio conhecimento do Homem é ter a capacidade de obter as informações que lhe permita criar um conhecimento de si próprio para alcançar os seus objetivos, existe quem lhes chame o sentido da vida.

Se queres ser melhor treinador, tens de ser melhor pessoa e tens de a alimentar todos os dias, porque “é o Homem que és, que triunfa no treinador que podes ser” diz Manuel Sérgio.

As respostas estão em ti e se queres mais do que tens, só o conseguirás se fores mais do que és!

Definir Objetivos

53913877_2246362815681309_8573866324776714240_n.jp

Capacidade de estabelecer metas congruentes com a visão.

Tratando-se a visão, desde logo, do objectivo final das várias metas que necessitamos de conquistar para que esta seja uma realidade. Será, portanto, o somatório da conquista de várias “pequenas” metas que permitirá alcançar o objectivo final, a visão. As metas criadas a cada etapa, quando alcançadas, devem permitir alcançar um novo patamar de desenvolvimento.

Os objectivos devem ser SMART, ou seja, específicos, definidos com o maior detalhe possível, mensuráveis, ter uma unidade de medida (o que não se mede, não existe), alcançáveis, suficientemente desafiadores das nossas capacidades reais obrigando-nos a transcendência para os alcançar, realistas, que sejam possíveis de alcançar com os recursos que temos disponíveis e com prazo definido, que seja estabelecido um prazo para ser alcançado.

objetivos-SMART.jpg

 

Acrescentaria a esta técnica uma pergunta: Porquê? Responder esta pergunta após utilizar a metodologia SMART deve ser reveladora da importância do objectivo estabelecido e do grau de compromisso e prioridade que este possui, naquela circunstância, podendo ser excluído, redefinido ou alavancado com o máximo de recursos disponíveis.

Esta técnica deverá ser integrada numa estratégia global e será reforçada quanto maior for a capacidade de o indivíduo ou organização sistematizar ao detalhe o processo que pretende utilizar para alcançar o objectivo final, a sua visão.

As etapas desta estratégia corresponderão às metas a curto, médio e longo prazo que sendo congruentes entre elas tornaram o percurso mais sólido até à concretização do grande objectivo.

Criar uma Visão ou prever o futuro?

pochettino2808abc.jpg

É muito mais que sonhar, é algo duradouro e sobretudo, inspirador.

Provavelmente, o maior património humano, a locomotiva da evolução e, certamente, o desafio diário que nos estimula a ultrapassar obstáculos, a redefinir limites e a alcançar algo que muitos dizem impossível, mas que só o é até conseguirmos faze-lo.

Esta premissa é verdadeira, do macro ao micro, das organizações ao indivíduo e tanto mais poderosa quantos mais forem contagiados por ela e se comprometerem a fazer acontecer.

Este compromisso, é tão poderoso, quanto tão celular for, nas organizações este é o principal desafio: o alinhamento de todos com a visão da organização.

Alcançar este alinhamento, requer uma abordagem microscópica a cada elemento da organização, não só, por si próprio, como no estabelecimento das relações com os restantes.

Várias são as técnicas e as estratégias a utilizar para alcançar este propósito, no próximo post, abordaremos uma das mais impactantes, a definição de objetivos.

De acordo com Peter Drucker, a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo, sendo assim, criar a tua visão é a melhor maneira de preveres o teu futuro.